Artigos


Convívio com cães ajuda na recuperação de doenças

Fonte: Revista Viva Saúde


A proximidade com os animais estimula a interação social, além de trazer benefícios físicos e psicológicos.

Quando se fala em tratamentos para melhorar a saúde humana, logo se pensa em medicamentos ou exames de última geração. Mas para a surpresa de muita gente, existe uma terapia diferente da convencional, e também eficaz: a "cão-terapia". Sua função é ajudar na recuperação de pacientes com problemas neurológicos por meio de atividades feitas na companhia dos cães.

Ela é usada com sucesso no Canadá, EUA, na Europa, e aqui no Brasil vem recebendo adeptos a cada ano. Em São Paulo, a ong INATAA (Instituto Nacional de Ações e Terapias Assistidas por animais), faz um trabalho em que o cachorro é um mediador de atividades conduzidas por psicólogos, fisioterapeutas e fonoaudiólogos. "O nosso objetivo é proporcionar uma maior interação entre o individuo e o animal, para que o tratamento tenha maior sucesso", diz a psicanalista e presidente do INATAA, Silvana Fideli Prado.

O trabalho da ONG é feito também com idosos que moram em casas de repouso. "Esse tipo de terapia contribui para melhorar a qualidade de vida dos assistidos, oferecendo benefícios físicos, mentais, emocionais e sociais" diz o fisioterapeuta e diretor da ONG, Vinicius Favo Ribeiro.

Segundo Vinicius, em um primeiro momentos os pacientes enxergam no cachorro, um ponto de referência e, pelas atividades, adquirem vontade de se interagir com outras pessoas e enxergar a vida com mais felicidade.

Não é pra menos. Essa interação favorece na liberação de hormônios e neurotransmissores responsáveis pelo bem-estar, o que ajuda no processo de socialização e comunicação, além de diminuir a pressão arterial e colesterol.

Hoje, a ONG conta com 55 cães voluntários, todos têm um dono, que é o responsável por zelar pela saúde do animal. Os cachorros são escolhidos pelo seu comportamento. "Selecionamos sempre os mais dóceis e de fácil convívio", diz Silvana. Depois de escolhidos, passam por consultas periódicas com veterinários e a cada três meses recebem reforço de vacinação.

É importante lembrar que todas as atividades são feitas com um profissional de saúde, o paciente e o cachorro. A maioria delas são jogos, em que a interação dos pacientes é estimulada. "O trabalho melhora a concentração, eleva a auto-estima e a afetividade, estimula a confiança e a formação de vínculos" confirma Silvana.